Síndrome do Pânico

Pânico é um sentimento esmagador de medo e ansiedade. É um medo repentino e uma ansiedade sobre eventos antecipados.

A palavra "pânico" deriva do grego πανικός ("pertencente ao deus dos rebanhos, Pã"), que levou diversão de assustadores rebanhos de caprinos e ovinos em explosões repentinas de medo incontrolável. Os gregos antigos creditavam a vitória na batalha de Maratona a Pã. Eles usavam seu nome para o medo exibido pelos soldados inimigos em fuga.

Na natureza, o "estado de pânico" é um sistema de defesa normal e útil que ativa todas as regiões do cérebro que estão relacionadas à atenção. É como se o animal entrasse em alerta máximo e num processo de fuga. Uma característica, por exemplo, é perder um pouco da sensibilidade nas extremidades do corpo para facilitar a fuga; ferimentos leves são ignorados enquanto um animal foge de seu predador.

Porém, para o ser-humano, o pânico em situações que não expressam real perigo, pode ser uma doença que atrapalha o convívio social, chamada de síndrome do pânico. O "medo do pânico" pode se tornar o transtorno do pânico relacionadas a outros tipos de patologia psiquiátrica como crise de ansiedade, depressão, estresse e outros.

O transtorno do pânico ou Síndrome do Pânico é uma condição mental psiquiátrica que faz com que o indivíduo tenha ataques de pânico esporádicos, intensos e muitas vezes recorrentes.

Um ataque de pânico, também conhecido como crise de pânico ou crise de ansiedade, é um período de intenso medo ou desconforto, tipicamente abrupto. Os sintomas variam de pessoa para pessoa e são no mínimo cinco para ser considerada uma crise (veja abaixo).
A desordem difere de outros tipos de ansiedade na medida em que o ataque de pânico acontece de forma súbita, parece não ter sido provocado e é geralmente incapacitante.

O cérebro produz substâncias chamadas neurotransmissores que são responsáveis pela comunicação que ocorre entre os neurônios (células do sistema nervoso). Estas comunicações formam mensagens que irão determinar a execução de todas as atividades físicas e mentais de nosso organismo (ex: andar, pensar, memorizar, etc). Um desequilíbrio na produção destes neurotransmissores pode levar algumas partes do cérebro a transmitir informações e comandos incorretos.
Isto é exatamente o que ocorre em uma crise de pânico: existe uma informação incorreta alertando e preparando o organismo para uma ameaça ou perigo que na realidade não existe. É como se tivéssemos um despertador que passa a tocar o alarme em horas totalmente inapropriadas. No caso do Transtorno do Pânico os neurotransmissores que encontram-se em desequilíbrio são: a serotonina e a noradrenalina.

Sintomas mais comuns:

* Contração / tensão muscular, rijeza
* Palpitações (o coração dispara)
* Tontura, atordoamento, náusea
* Dificuldade de respirar (boca seca)
* Calafrios ou ondas de calor, sudorese
* Sensação de "estar sonhando" ou distorções de percepção da realidade
* Terror - sensação de que algo inimaginavelmente horrível está prestes a
acontecer e de que se está impotente para evitar tal acontecimento
* Confusão, pensamento rápido
* Medo de perder o controle, fazer algo embaraçoso
* Medo de morrer
* Vertigens ou sensação de debilidade

Fonte: Wikipédia.

Nunca imaginei que eu, no auge da minha racionalidade e praticidade, pudesse um dia passar por um problema desse tipo. Sempre achei que isso fosse coisa de gente "mole", sabe? Mas como Deus nos ensina muito na vida, ele quis me mostrar mais uma vez que ninguém , ninguém está acima do bem ou do mal....
Só tenho um coisa a dizer: não desejo uma crise dessas nem pro meu pior inimigo (se é que tenho).
Mas já estou me tratando e tenho fé que isso vai passar logo!
Não é minha cara ter essas coisas né?
Mas é minha cara lutar contra ela!

beijos

5 comentários:

  1. Oi Fê, minha mãe comentou que te encontrou e que vc ia bater aqui. Quando for assim, não precisa pensar 2x, toque aqui sim, o que eu puder fazer pra te ajudar, isso se eu não entrar em pânico tbém, aí uma ajuda a outra, pelo menos gritamos juntas, choramos juntas, e até podemos tomar umas gotinhas do 1,2,3...10! rsrsrs
    bjo grande

    ResponderExcluir
  2. oi Fê, saiba que uu tive uma depressão séria, acompanhada de pânico em 2000/01. Me tratei com remédios e terapia e, aquilo que parecia incurável, foi superado. Qualquer coisa, conte comigo, pra compartilhar e garantir que passará. Você é humana e nos últimos tempos tem conhecido todos os lados da vida. Bj. Rô Scatolini

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi anônimo,acho que estou com princípio de síndrome do pânico Estou tendo insônia,medo de sair, mas saio assim mesmo,do nada fico com medo inexplicável,de morrer,de perder a memória, não falo com ninguém,pois tenho medo de me chamarem de doida.bjs Ana.

      Excluir
  3. Fernanda, força em mais essa tua luta,logo logo tu vais estar escrevendo como tu superaste isso.
    Desejo tudo de bom pra ti...Beijo

    ResponderExcluir
  4. Medo...
    Vontade de dar um grito,
    ou calar-se para sempre
    De ficar parado, ou correr
    De não ter existido
    ou deixar de existir (morrer)
    Não há razão quando a mente não funciona
    (redundante, não?)
    Vão extinguindo-se as questões
    mesmo sem respostas
    Perde-se, neste estágio,
    a vontade de saber.
    O futuro é como o presente:
    É coisa nenhuma, é lugar nenhum.
    Morreu a curiosidade
    Morreu o sabor
    Morreu o paladar
    parece que a vida está vencida
    Tenho medo de não ter mais medo.
    Queria encontrar minhas convicções...
    Deus está em um lugar firme, inabalável,
    não pode ser tocado pela nossa falta de confiança
    Até porque, na verdade, confio nele
    O problema é que já não confio em mim mesmo
    Não existe equilíbrio para mentes sem governo
    A química disfarça, retarda a degradação
    mas não cura a mente completamente
    E não existem, em Deus, obrigações:
    já nos deu a vida, o que não é pouco,
    a chuva, o ar, os dias e noites
    Curar está nele, mas, apenas retardaria a morte
    já que seremos vencidos pelo tempo
    (este é o destino dos homens)
    e seremos ceifados num dia que não sabemos
    num instante que mira nossa vida
    e corre rápido ao nosso encontro lentamente
    (ou rasteja lento ao nosso encontro rapidamente?)
    Sei lá...
    Mas não sei se quero estar aqui
    para assistir o meu fim
    Queria estar enclausurado, escondido...
    As amizades que restam vão se extinguindo
    e os que insistem na proximidade
    são os mesmos que insistirão na distância,
    o máximo de distância possível.
    A vida continua o seu ciclo
    É necessário bom senso
    não caia uma árvore velha, podre, sobre as que ainda estão nascendo.
    Os que querem morrer deixem em paz os que vão vivendo
    Os que querem viver deixem em paz os que vão morrendo
    Eu disse bom senso?
    Ora, em estado de pânico não se encontra bom senso
    nem princípios, nem razão, nem discernimento,
    nem força alguma
    Torna-se um alvo fácil
    condenável pelos que estão em são juízo
    E questionam: onde está sua fé?
    e respondo: ela estava aqui agora mesmo...
    ela não se extingui, mas parece que as vezes se esconde de mim...
    o problema é que, quando a mente está sem governo
    (falo de um homem enfermo)
    é como um caminhão que perde o freio
    descendo a serra do mar...
    perde-se o contato com a fé e com tudo o que há...
    e por alguns instantes (angustiantes)
    não encontramos apoio, nem arrimo, nem chão, nem parede, nem mão...
    ah... quem dera, quem dera...
    que a mão de Deus me sustente neste instante...
    em que viver é tão ou mais difícil que conjulgar todos os verbos...
    porque sou, neste momento
    a pessoa menos confiável para cuidar de mim mesmo...
    tenho medo, medo...
    medo de perder o medo
    de sair da vida pela porta de saída...
    medo de perder o medo
    de apertar o botão "Desliga"...

    http://progcomdoisneuronios.blogspot.com

    .

    ResponderExcluir